Hidrografia do Rio de Janeiro

A cidade do Rio de Janeiro apresenta mais de 200 cursos d’água, denominados rios, córregos, riachos, canais, valões, vala etc., apresentando geralmente um leito estreito e pouco profundo.

As águas descem pelos diversos maciços e vão em direção à Baía de Guanabara, Oceano Atlântico (diretamente), Lagoa Rodrigo de Freitas, Baixada de Jacarepaguá (onde estão as cinco lagoas) e para as Baixadas de Guaratiba e de Santa Cruz, em direção à Baía de Sepetiba.

A maior concentração de cursos d’água é na zona oeste da cidade, atravessando as Baixadas de Guaratiba e Santa Cruz.

Grande parte dos rios que descem pelos maciços, serra e morros levam para as baixadas grandes quantidades de sedimentos que juntamente com o lixo despejado nos rios provocam inundações em várias partes da cidade.

Outro grande problema que observamos na maioria dos rios é seu estado avançado de poluição, visto que além do lixo lançado a poluição aumenta, pois ocorre falta de rede de esgotos sanitários, o que no conjunto irá diminuir completamente as características naturais das águas, não só deles mas também das lagoas e baías.

Outro fator de degradação dos rios é a construção de habitações ribeirinhas, provocando a destruição da mata ciliar e o aumento da poluição por despejos humanos.

Vale citar que alguns rios cariocas já desapareceram da paisagem, pois foram canalizados para melhorar a urbanização.

Para fins de trabalhos integrados, os rios foram agrupados em macrobacias hidrográficas no Rio de Janeiro: da Baía de Guanabara, das Lagoas Oceânicas e da Baía de Sepetiba.

A seguir veremos que cursos d’água fazem parte de cada macrobacia.

Para tanto usaremos as seguintes convenções:

A Arroio
Ac Açude
B Baía
C Canal
Ca Campo
Co Córrego
D Dreno
I Ilha
L Lagoa
M Morro
P Praia
Pe Pedra
Pi Pico
R Rio
Re Restinga
Ri Riacho
S Serra
V Vala
Va Valão