Biblioteca
Educação

Redescobrindo o valor do índio na formação de nossa cultura sob o aspecto da Educação Infantil

Cristiane da Silva Brandão

O projeto Redescobrindo o valor do índio na formação de nossa cultura sob o aspecto da Educação Infantil constituiu-se de uma proposta de trabalho que desenvolveu atividades enfatizando o multiculturalismo e a diversidade cultural no âmbito da Educação Infantil e registrou o último ano da década dedicada aos povos indígenas pela Unesco.

Teve o objetivo de despertar o interesse principalmente da criança pela cultura indígena, a curiosidade para conhecer o modo de vida dos índios brasileiros, a organização de várias etnias e as diferenças de cada grupo, além de contribuir para que a cultura indígena não se perca, possibilitando ao nosso aluno compartilhar uma identidade cultural comum.

Dessa maneira, o projeto pretendeu mostrar que e possível trabalhar, desde a mais tenra idade, o valor de uma cultura tão importante para a formação da sociedade brasileira, usando muita criatividade, ludicidade e encanto, além de traçar um paralelo entre dados e situações acerca de costumes indígenas tradicionais e contemporâneos. Pretendemos também partilhar nossas experiências com outras escolas, oferecendo o empréstimo de material didático (construído por nossos alunos e educadoras).

A cultura indígena ainda hoje permeia a sociedade brasileira pelos hábitos e costumes inseridos pelos povos indígenas em nosso povo; desse modo, é nosso papel, como educador, contribuir para que os elementos desta cultura tão significativa não sejam anulados ao longo da história, preservando sua identidade e possibilitando que nosso aluno conheça e compartilhe, de forma curiosa e lúdica, este universo que nos rodeia, a fim de que lhe desperte o interesse. Dessa maneira, queremos investigar como é possível o educador relacionar diversidade cultural à Educação Infantil num ambiente escolar que atende crianças de zero a quatro anos de idade.

Pensamos em trabalhar o tema de modo que propiciasse aos nossos alunos uma visão integral da cultura indígena, despertando a curiosidade para a diversidade cultural das diversas nações que ainda hoje sobrevivem em várias regiões do nosso país, transformando o meio ambiente e adaptando-o às suas necessidades.

A realidade e a vivência do educando ajudaram a nortear a nossa proposta de trabalho; para isso, contamos também com a presença de uma criança, matriculada em nossa creche, que tem os traços físicos característicos de índio, buscando identificar, na medida do possível, sua árvore genealógica – o que certamente enriqueceria ainda mais o projeto.

O trabalho visou conscientizar, através das próprias crianças, a comunidade escolar acerca da importância e da influência da cultura indígena em nossa sociedade, objetivando assim transmitir informações para que as crianças apreendam os distintos modos de ser, viver e trabalhar dos povos, construam conhecimentos sobre a diversidade de realidades sociais, culturais, geográficas e históricas, compreendendo principalmente a integração do homem com o meio ambiente e a importância de uma relação saudável para a melhoria da qualidade de vida. Dessa forma, implementar o projeto na unidade escolar envolveu dar subsídios às educadoras e funcionários, a fim de que o trabalho fosse enriquecido formando parcerias que o viabilizem.

Nosso ideal foi alcançado. As crianças se socializaram. Além de admirarem a maloca e todo o material reunido para a exposição do projeto, ficaram encantadas com a canoa produzida pelo maternal I (crianças com 3 anos de vida), que serviu para abrigar o índio Bororó confeccionado pelo maternal II (crianças com 4 anos de vida); e mais: convidaram seus pais para virem à escola antes mesmo da abertura da exposição-projeto Índio brasileiro, onde seus trabalhos seriam apreciados, para conhecer nosso índio Bororó. Os nossos alunos também passaram a respeitar mais o outro, mesmo sendo de “cor” diferente.

As duas turmas de maternal II produziram livros infantis que tiveram a participação das crianças em suas etapas de produção. E, no decorrer do desenvolvimento do projeto, descobrimos que o aluno Carlos, que tem os traços físicos característicos indígenas, é de fato bisneto de índio.

Sendo assim os resultados obtidos superaram o esperado. Percebemos a importância de ter a oportunidade de divulgar nossas experiências a todas as crianças da creche e da comunidade, o que nos incentivou a ampliar o nosso trabalho com a seguinte proposta: convidar as escolas das adjacências para receber nosso material didático em suas salas de aula e nos enviar suas observações acerca do trabalho e das atividades desenvolvidas a partir dele.

Para a realização do trabalho, dispusemos apenas dos recursos financeiros da instituição, uma vez que utilizamos sobretudo materiais recicláveis e sucatas.

Referências bibliográficas

ALENCAR, J. O guarani. São Paulo: Círculo do livro, 1995.

ARROYO, M. G. A construção social da infância. Rio de Janeiro: Prefeitura da Cidade, 1997.

FERREIRA, S. Imaginação e linguagem no desenho da criança. São Paulo: Papirus, 1998.

FREIRE, P. Educação como prática de liberdade. São Paulo: Paz e Terra, 1983.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 8ª edição. São Paulo: Paz e terra, 1996 (Coleção Leitura).

GALVÃO, I. Henri Wallon: uma concepção dialética do desenvolvimento infantil. Petrópolis: Vozes, 1995.

KRAMER, S. Com a pré-escola nas mãos: uma alternativa curricular para a educação infantil. 14ª edição. São Paulo: Ática, 1999.

LIMA, A. F. S. O. Pré-escola e alfabetização: uma proposta baseada em Paulo Freire e Jean Piaget. Petrópolis: Vozes, 1994.

LOWENFELD, V. A criança e sua arte (um guia para os pais). São Paulo: Mestre Jou, 1997.

LOWENFELD, V.. BRITTAIN, W. L. Desenvolvimento da capacidade criadora. São Paulo: Mestre Jou, 1970.

MACHADO, M. L. A. Encontro e desencontros em educação infantil. São Paulo: Cortez, 2002.

MEC/SEF. Referencial curricular nacional para educação infantil. Brasília: MEC/SEF, 1998.

FUNDAÇÃO VICTOR CIVITA. Revista Nova Escola. São Paulo: Editora Abril, abril/1999.

RIBEIRO, D. O povo brasileiro. São Paulo: Círculo do Livro, 1995.

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO. Multieducação: núcleo curricular básico. Rio de Janeiro: SME, 1996.

Publicado em 8 de setembro de 2009.