Biblioteca
Comportamento

Um pouco de Psicologia experimental

Raquel Menezes

Psicologia é a ciência que estuda os processos mentais do comportamento humano. Como sua base inicial é a filosofia, muitas vezes esta ciência serve como pilar para o pensamento de Descartes, Bergson e Kant. O reconhecimento de sua legitimidade como ciência se dá a partir do trabalho Wilhelm Wundt, primeiro psicólogo e fundador da Psicologia moderna, cujas bases de trabalho são estruturalistas.

Depois do Estruturalismo, os estudos psicológicos passam a ser funcionalistas, sendo William James o principal estudioso desse segmento. Em seguida, o Behaviorismo, influenciado por teorias sobre o comportamento e a fisiologia animal, passa a ser a escola de pensamento mais atuante. Serão ainda modelos de escola o Formalismo, o Humanismo, a Psicanálise, o Cognitivismo e ainda a Psicologia do indivíduo, de Alfred Adler, a Psicologia analítica, de Jung, e as teorias relacionadas às psicologias social, introspeccionistas e fenomenológicas. Sendo assim, não se pode pensar em Psicologia, mas sim em Psicologias.

Como já foi dito, a Psicologia era um ramo da Filosofia, o que a caracterizava como uma ciência, digamos assim, menor, já que não era uma unidade independente. Para tentar se desligar da Filosofia, a Psicologia se aproxima das ciências experimentais (Biologia, Química e Física). O acolhimento dos métodos científicos experimentais tornou a Psicologia uma ciência organizacional e mecânica, até tornar-se independente, com o Estruturalismo de Wundt. Com o passar do tempo, até os dias de hoje, sob a influência ainda da Filosofia e das ciências mais exatas e experimentais, a Psicologia atua entre um movimento interpretativo e um lado mais propriamente científico. Desse modo, observamos que a Psicologia oscila entre duas correntes: uma mais filosófica, que se vale de modelos explicativos hermenêuticos, e uma mais científica, tendo como modelo as Ciências Naturais, como é o caso do Behaviorismo, por exemplo.

A Psicologia, diferentemente, por exemplo, da Antropologia, que se propõe a ser a ciência do homem físico e social, dedica-se ao dominio da existência individual. Apesar disso, os métodos de pesquisa psicológica podem ser experimental e clínico. O primeiro tem procedimento teórico-experimental e mais generalizador, enquanto o segundo preocupa-se com a investigação sistemática do casos individuais, como faz a psicanálise. Apesar dessas diferenças, o método experimental de algum modo completa o clínico e vice-versa.

O já citado Wundt teve papel mais que relevante – na verdade, decisivo – na constituição da Psicologia experimental. Além de ter sido o primeiro psicólogo na história da Psicologia, criou em Leipzig, em 1878, o primeiro laboratório de Psicologia experimental. Com esse laboratório e sua teoria de que a experimentação permite o controle dos dados passivos fornecidos pela introspecção, Wundt estudou problemas das sensações, da percepção do raciocínio, do sentimento etc. Seus estudos visavam a verificar que os fenômenos psíquicos estavam diretamente ligados aos processos físicos. Para comprovar tal teoria, tentou ratificar que a sensação e a imagem são produtos das passagens do influxo nervoso nos neurônios cerebrais. Apesar do marco histórico que foi a criação do laboratório de Wundt, para Paul Fraisse, outro importante nome da Psicologia experimental, não se deve assimilar Psicologia experimental e Psicologia de laboratório. Segundo Fraisse, o laboratório é necessário, mas não necessidade absoluta. A postura de Fraisse quanto a laboratórios revela que a “Psicologia experimental não se caracteriza pelo emprego de teste, tampouco das técnicas próprias à Psicologia aplicada”.

Para saber mais

Publicado em 7 de abril de 2009