Biblioteca
Cidadania

Projeto Bi-Bi Fom-Fom: Aprender a conviver com o trânsito

Professora Rosa Maria Mesquita Ceia

Site Edutran

Apresentação

O projeto Bi-Bi Fom–Fom constitui-se numa série de ações didático-pedagógicas contemplando a educação para o trânsito e atendendo à Educação Infantil e ao ensino Fundamental (1º e 2º ciclos).

Aconselha-se que tais ações venham acontecer por ocasião da Semana Nacional do Trânsito. Apesar de nossa orientação, convém lembrar que a educação deve ser contínua, portanto, todas as oportunidades em relação ao tema devem ser priorizadas, independentemente de épocas pré-estabelecidas.

Público-Alvo: Educandos dos segmentos do sistema escolar: Educação Infantil e Ensino Fundamental.

Questão-Problema: Relacionamento da comunidade escolar com o trânsito.

No cotidiano dos alunos e de toda a comunidade escolar, quer seja urbana ou rural, existe a questão do relacionamento da população com o trânsito, que nem sempre é equilibrado.

Várias campanhas acontecem no sentido de educar os condutores de veículos e pedestres, no entanto, não são suficientes para concretizar a formação da cidadania e o comportamento adequado no trânsito. O processo deve ser contínuo e emerge como uma questão educacional no sentido de formar adultos conscientes de seus direitos e deveres em relação ao trânsito.

O texto do Art. 76 do Código de Trânsito Brasileiro (CTB) dispõe:

A educação para o trânsito será promovida na pré-escola e nas escolas de 1º, 2º e 3º graus, por meio de planejamento e ações coordenadas entre os órgãos e entidades do Sistema Nacional de Trânsito e de Educação, da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, nas respectivas áreas de atuação.

Portanto, este projeto vem ao encontro dos anseios da comunidade escolar e das proposições do governo.

Justificativa: Determinação da lei e os objetivos educacionais

Tendo como motivação a determinação da lei associada aos sentimentos de melhoria da qualidade de vida da comunidade escolar e, principalmente, a formação de cidadãos conscientes, o projeto propõe por meio de seus objetivos pedagógicos concretizar uma relação harmoniosa entre alunos, professores, auxiliares e direção das escolas envolvidas no sentido de assegurar a qualidade de vida urbana e de ambientes por onde venham a transitar pessoas e veículos.

Educar e formar cidadãos conscientes à luz de valores e crenças justas significa construir uma sociedade digna e ciente do seu papel na história da humanidade.

Construir o conhecimento dos princípios essenciais de segurança no trânsito com educandos, educadores e a comunidade, conscientizando-os sobre a importância de manterem as suas integridades físicas e a de seus semelhantes, quando estiverem utilizando as vias públicas, torna-se imprescindível nos dias de hoje.

É dentro desses propósitos que este projeto será desenvolvido.  

Objetivo:

Educar para o trânsito por meio da obtenção do conhecimento de temas relativos aos problemas que envolvem a relação do homem com o trânsito.

Objetivos específicos:

  1. Conscientizar a comunidade escolar sobre as regras e normas relativas ao trânsito com a finalidade de preservar as integridades físicas de pedestres e condutores de veículos.
  2. Construir valores que possam ser viabilizados na vida prática dos membros da comunidade, objetivando a melhoria da qualidade de vida nas vias públicas.
  3. Valorizar ações de cooperação, desenvolvendo atitudes compartilhadas com intuito de difundir o conhecimento construído a todos aqueles que convivem direta e indiretamente com o trânsito.
  4. Incentivar o educando a expressar seus anseios e conhecimentos relativos ao trânsito por meio de diversas áreas de conhecimento.

Metodologia

A metodologia a ser indicada na implementação do projeto poderá sofrer alterações à medida que o mesmo venha se desenvolver, ou seja, de acordo com as necessidades de cada segmento escolar poderá ser ajustado diante da evolução das ações pedagógicas. Entretanto, deve-se seguir uma linha de trabalho e pensamento em relação às ações didáticas e pedagógicas.

Todas as atividades propostas devem ser concretizadas ao longo das aulas relativas às disciplinas regulares, cada uma servirá de base para o desenvolvimento das atividades, por exemplo: a Língua Portuguesa trabalhará com a produção escrita das atividades; a Educação Artística se encarregará de atender às necessidades da produção gráfica; a Geografia (Estudos Sociais) de desenvolver os temas urbanos e ambientais; a disciplina Ciências dará consistência às questões de saúde, integridade física e ambiental; a Matemática apoiará a confecção de tabelas, gráficos e tratamento de dados; a História (Estudos Sociais) fornecerá subsídios, por meio da sua metodologia, de registros de documentos e evolução de fatos ao longo do tempo; a Informática disponibilizará recursos para viabilizar edição de textos, gráficos, imagens e pesquisa; enfim todas as disciplinas estarão integradas no sentido de construir conhecimentos relativos ao trânsito.

A abordagem pedagógica a ser recomendada é a linha construtivista, por ser esta a que oportuniza maior participação ativa do educando no processo da obtenção do conhecimento, mantendo uma relação de troca com seu educador e demais companheiros de turma. Poderá, assim, construir conceitos novos e relacioná-los com conceitos já construídos, aplicando-os a novas situações. No caso da educação para o trânsito, esses princípios são fundamentais, porque vão ao encontro dos objetivos propostos.

Para atingir tais objetivos é recomendável utilizar-se estratégias diferentes, uma para a Educação Infantil e outra para a Educação Fundamental. Sendo assim, serão dois blocos diferentes desde que eles não sejam excludentes.

No segmento da Educação Infantil, deve-se utilizar estratégias didáticas como: narração de histórias, músicas, experiências vivenciadas em “Roda de Conversas”, produção gráfica dos temas trabalhados nas atividades anteriores com a exposição dos trabalhos realizados e, por fim, jogos e brincadeiras contemplando os conceitos de espacialidade, expressão e movimentação corporal como agentes ativos no respeito ao trânsito.

No segmento do Ensino Fundamental (1º e 2º ciclos) o trabalho será subdividido em duas partes: o 1º ciclo terá duas atividades básicas sob sua responsabilidade: a de interpretar os sinais de trânsito para os demais membros da comunidade, utilizando representação gráfica com significado dos sinais que fazem parte do seu cotidiano e produção de folhetos (pequenos textos com representação gráfica) de advertência sobre as consequências da falta de respeito à sinalização, com finalidade de culminar em uma campanha educativa envolvendo toda a escola; o 2º ciclo se responsabilizará pela confecção de um boletim de ocorrência (Diário Bi–Bi Fom–Fom) sobre os fatos relativos ao trânsito vivenciados por pessoas da comunidade e pela elaboração de um Código de Trânsito, onde poderão enumerar normas de conduta de pedestres e condutores de veículos. Esse documento terá como base a pesquisa orientada do CTB.

Como complementação, eventos paralelos devem ocorrer na escola por ocasião de uma culminância, entre eles: visita de autoridade do trânsito, podendo ser um guarda de rua, na qual os educandos poderão fazer perguntas relativas ao tema do projeto; exposição dos trabalhos do segmento da Educação Infantil; palestras ou depoimentos de profissionais ligados à condução de veículos em vias públicas, confecção de um mural com as principais placas de trânsito trabalhadas e difusão dos folhetos elaborados pelos educandos do 1º ciclo do Ensino Fundamental; exposição e apresentação do boletim de ocorrência e do Código realizadas pelos educandos do 2º ciclo do Ensino Fundamental.

Cronograma: Duas opções

Para que o projeto possa se desenvolver de forma satisfatória serão necessárias pelo menos duas semanas, sendo que a culminância do projeto deve acontecer por ocasião da Semana Nacional do Trânsito (18 a 25 de setembro).

Outra opção de cronograma seria o desenvolvimento do projeto em que as atividades seriam diluídas ao longo do ano em consonância com as demais áreas de conhecimento, aplicando a transversalidade sugerida nos PCN, que contemplariam os temas relativos ao trânsito em toda oportunidade da construção de conhecimento dos conteúdos  específicos.

Observação: Nessa opção, o tema trânsito faria parte inerente dos conteúdos, portanto, estaria inserido no conteúdo de cada área de conhecimento. Seja qual for a opção escolhida pela escola, deve haver uma culminância por ocasião da Semana Nacional do Trânsito.

Recursos:

  • Materiais: material para produção gráfica e textual (papel, papel para impressão, papel-cartão, cartolina, lápis de cor, tinta guache, fotos do cotidiano do trânsito, cola, etc.), laboratório de Informática com editores de texto e gráfico, softwares, computadores, serviço de cópias (xerox), biblioteca para a pesquisa, jornais e revistas para pesquisa. Caso a escola convide pessoas para palestras será necessário um espaço adequado.
  • Humanos: Educadores, auxiliares, coordenador do projeto e convidados para palestras.

Implementação – Educação Infantil/ Turmas

Dentro das opções de cronograma, o projeto sempre utilizará as mesmas atividades, sendo que na opção do cronograma onde se concentra o desenvolvimento em duas semanas, elas deverão ser sistematizadas nesse período. Já na segunda opção, as atividades serão sistematizadas nos momentos em que ações pedagógicas permitam inserir temas relativos ao trânsito.

Nas duas opções, uma semana deve ser dedicada à apresentação de trabalhos, palestras, campanhas etc.

Atividades por segmento:

Educação Infantil

Nas primeiras turmas as atividades devem ser desenvolvidas explorando a seguinte situação problema:

Bi–bi, fom-fom – A rua tem carro e temos que atravessar.

A partir dessa frase, desenvolvem-se atividades que vão explorar o conhecimento prévio da criança em relação ao ambiente rua e em que a sua identidade e autonomia, em relação ao ambiente em destaque, sejam objetos de verificação e motivação para trabalhar o conhecimento adquirido e aquele que deseja adquirir.

Algumas estratégias didático-pedagógicas podem ser sugeridas: leitura da frase em roda de conversas, coletando as informações (experiências vivenciadas) de cada criança; observação de figuras com ruas, com identificação de seus elementos e despertando a curiosidade da função da rua para as pessoas; orientar a construção do conhecimento da criança como parte integrante desse ambiente.

Numa segunda etapa, aproveitando o que foi discutido e negociado com as crianças, iniciam-se as atividades que vão privilegiar a produção gráfica das vivências contadas na roda de conversas: introdução de sinais horizontais na travessia de ruas e a importância dos sinais com os significados de figuras e cores. Para viabilizar a valorização dos sinais executa-se tarefas por meio de jogos e brincadeiras, trabalho com a percepção, o movimento, espaço, o conceito de intensidade etc., utilizando o corpo das crianças e o próprio espaço da sala de aula para simular as situações.

Conteúdos: Educação Infantil

Ambiente Rua

Sugestão de Atividades:

As atividades devem ter como motivação a frase Bi-Bi Fom-Fom —  A rua tem carro e temos que atravessar. Esta frase servirá de ponto de partida (situação-problema) para qualquer atividade, sendo que ao final do projeto as crianças deverão ter construído um conhecimento que lhes permita saber em que circunstâncias poderão atravessar uma rua.

  • Observação e descrição de figuras de ambientes de ruas, destacando os elementos integrantes desse ambiente, como: carros, pessoas, sinais de trânsito, bicicletas etc. Trabalhar os elementos e seus lugares apropriados, destacando que a criança é parte integrante e qual a sua posição no contexto. à Oficina (“cantinho”) de artes;
  • Narrativa de uma história que envolva o ambiente de rua e seus elementos com uma interação em que as crianças recontem histórias de acordo com as suas vivências nesse ambiente. à Roda de Conversas;
  • Elaboração de desenhos com elementos da rua, interpretação gráfica das vivências contadas;
  • Brincadeiras com jogos, utilizando a sinalização básica de rua (sinal de travessia de pedestres com identificação das cores: vermelha, amarela e verde). Simulação de um ambiente de rua com sinais horizontais (chão) de travessia para identificar o local certo para a travessia etc. Essas atividades (jogos e simulação da realidade) devem ser interativas no sentido de que as crianças assumam papéis sociais como o guarda de trânsito, pedestres, motoristas, ciclistas etc., utilizando a imitação.

Observações

  • Embora a autonomia e independência da criança devam ser privilegiadas, deve-se também trabalhar a iniciativa dela pedir auxílio em determinadas situações;
  • Criar situações em que as crianças possam desenvolver a relação com o outro (cooperação);
  • As atividades devem ser em consonância com a faixa etária.

Turmas alfabetizadas

Pode-se desenvolver o mesmo tipo de trabalho, sendo que a escrita deve ser introduzida em todas as atividades desenvolvidas.

A frase que serviu de motivação deve permear todo o desenvolvimento das atividades, como também a conclusão. É evidente que, ao concluir as atividades, deve-se realizar uma avaliação com as crianças no sentido do alcance dos objetivos do projeto, que é a educação para o trânsito, mais especificamente nesse segmento, o de criar procedimentos para a travessia de ruas, segundo as regras de trânsito para preservar as integridades físicas de pedestres e condutores de veículos.

Avaliação: Se esses procedimentos aflorarem como um conhecimento construído, é porque os objetivos foram alcançados. Em caso contrário, deve-se verificar, com as crianças, que medidas devem ser tomadas para que o conhecimento desses procedimentos seja construído. Neste caso, o educador tem um papel primordial de ter em mãos todo o desenvolvimento das etapas do projeto e verificar onde ocorreu a falha, e dela própria partir a reconstrução do conhecimento. Aconselha-se que esta ação seja percebida no momento e que não exista uma lacuna de tempo.

Para se avaliar as crianças nessas atividades deve-se utilizar os procedimentos avaliativos apropriados para esse segmento escolar.

Nota Importante: Se a escola optar pela utilização da Informática nesse segmento, todas as atividades de representação gráfica poderão ser utilizadas em editores de imagens (softwares) como o Paint Brush, Creative Write, Crayola Art Studio, Kid Pix etc. Nesses softwares existe o recurso da escrita (edição de textos).

Caso a escola possua home page, organizar uma exposição virtual para que toda a comunidade escolar possa apreciar os trabalhos.

Atividade extra: Visita de uma autoridade de trânsito, de preferência um guarda de rua, que mostre às crianças os gestos e os sons do apito usados para comandar o fluxo nas vias públicas.

Conteúdos: Alfabetização

Ambiente Rua

Sugestão de Atividades:

Em turmas já alfabetizadas deve-se trabalhar com a mesma frase da Educação Infantil — Bi-Bi Fom-Fom —  A rua tem carro e temos que atravessar. No entanto, a escrita deve ser incluída em todas as atividades.

  • Narrativa de histórias que envolvam elementos da rua com participação ativa dos educandos por meio de perguntas sobre a história narrada. Existem livros de história infantis que podem ser utilizados, como: “Ônibus Musical”, de Ganymédes José Santos de Oliveira; “Vermelho e Verde”, de Michele Liliana Iacocca; “Stop — O Herói Sinal Verde”, de Rosane Frerichs. Esses livros têm a função de motivar as crianças a pensar sobre o ambiente rua e o trânsito;
  • Representação gráfica dos elementos de rua, relacionando seus nomes às figuras;
  • Criação de histórias em grupo, o primeiro aluno começa a escrever uma frase iniciando uma história sobre o ambiente de rua e o trânsito e os outros vão completando a ideia por meio de frases. Ao término da história, os componentes do grupo devem ler em voz alta as frases, narrando a história realizada;
  • Leitura e interpretação de pequenos textos relativos ao ambiente rua e o trânsito e motivar os educandos a criarem outro final para a história lida. Esta atividade pode ser oral;
  • Descrição de figuras retratando o trânsito de rua por meio de frases.

As atividade sugeridas devem estar relacionadas á situação –problema indicada pela frase de motivação Bi-Bi Fom-Fom —  A rua tem carro e temos que atravessar.

Vários conteúdos podem ser adaptados às atividades, como: conceitos de rua — comprida, larga; sinal — verde, vermelho, amarelo; sinal de travessia com desenho (figuras humanas ou palavras de ordem "PARE" e "SIGA"; letras iniciais de elementos do ambiente rua para ampliação de vocabulário; criação de um alfabeto ilustrado com os elementos do trânsito; identificar o papel social do educando no trânsito e a sua relação com os elementos do trânsito    (rua, automóveis, bicicletas, sinais etc); desenvolvimento do conceito de respeito à sinalização e ao próximo; estímulo à cooperação em situações adversas ao educando e ao próximo; advertência sobre a integridade física ao andar pelas ruas.

Implementação – Educação Fundamental, 1° ciclo (1ª e 2ª séries)

Neste ciclo, o projeto será desenvolvido de forma integrada, ou seja, a partir de um tema as áreas de conhecimento do currículo escolar devem contribuir com seus conteúdos e metodologias no sentido de construir o conhecimento dos educandos em relação à identificação e compreensão dos sinais de trânsito. Deve ser realizado um trabalho multidisciplinar, garantindo aos educandos o saber social e o exercício da cidadania. Os conteúdos das áreas de conhecimento devem, portanto, estar em consonância com as questões do cotidiano do educando, como o trânsito.

Atividades/ Etapas do projeto
1ª Etapa
(1ª série)
2ª Etapa
(1ª série)
3ª Etapa
(1ª e 2ª séries)
4ª Etapa
(2ª série)
Produção gráfica e escrita; Criação de tiras ou quadros. Reflexão e interpretação sobre as cenas produzidas. Identificação dos sinais de trânsito. Lançamento da campanha de conscientização sobre a importância dos sinais.

Neste ciclo deve-se trabalhar a identificação e o significado dos sinais de trânsito. Para que se efetue a interdisciplinaridade, a estratégia de motivação utilizada poderá ser uma tira retratando cenas do cotidiano no trânsito (de preferência uma desobediência às normas de trânsito), sendo que o último quadrinho ou cena só será completado pelos educandos após o término das atividades; ou utiliza-se apenas dois quadros, um com uma cena do cotidiano do trânsito e o outro vazio para ser completado.

1ª Etapa: Os quadrinhos (cenas) podem ser montados pelos educandos, orientados pela professora de Educação Artística, no entanto, o desfecho deve ser dado por ocasião da culminância do projeto. Recomenda-se que a técnica (desenho, colagem etc.) utilizada para a criação deve partir de uma negociação dos educandos e da professora de Educação Artística. A elaboração desse projeto também poderá ser desenvolvida em laboratórios de Informática, utilizando editores de imagem e textos.

Exemplo de tira:

2ª Etapa: A partir das tiras ou cenas, deve-se fazer uma reflexão sobre a mensagem que transmitem para os educandos, ou seja, provocar uma interação com o que foi produzido. Nesta etapa, deve ser produzido um pequeno texto sobre as impressões do observado e uma leitura para a turma.

3ª Etapa: Apresentação dos sinais de trânsito, onde se deve observar as formas dos sinais, as cores, tipos, funções e significados. Nesta etapa, propõem-se atividades, como: observação de campo, ou seja, ao longo do percurso escola-casa, o aluno deverá verificar quais os sinais de trânsito que existem e representá-los graficamente com seus significados; jogo de trilha, simulando uma cidade com os principais sinais de rua; jogo da memória, sendo que os pares devem ser formados com a figura e seus significados etc.

4ª Etapa: Exploração dos conteúdos das aulas de Ciências sobre as características gerais do organismo, relacionada aos órgãos dos sentidos e à capacidade de receber informações por meio deles. Esta exploração vai servir de sustentação para a confecção de cartazes, que deverão ser espalhados pela escola, retratando situações de advertência para maior atenção para o trânsito e obediência à sinalização.

A culminância deverá coincidir com a Semana Nacional do Trânsito, onde os trabalhos serão apresentados a toda a comunidade escolar e o último quadro deverá ser elaborado.

Uma prática pedagógica deve ser aplicada nas atividades: é o desenvolvimento das tarefas em dupla. Dentro dessa perspectiva, pode-se, ainda, dividir o trabalho. Por exemplo: na 1ª etapa, todos apenas desenham as cenas e depois esses desenhos podem ser trocados pelas duplas, para que educandos construam textos das representações gráficas de outros, permitindo assim uma cooperação na mesma atividade; redação dos textos em dupla, utilização do computador em dupla etc.

Esquema da relação dos conteúdos e participação das áreas de conhecimento. Este esquema apresenta as conexões entre as áreas de conhecimento, que permitirão a interdisciplinaridade.

Atividade extra: Visita de uma autoridade do trânsito, de preferência um guarda de rua que forneça orientação aos educandos no sentido da observância da sinalização.

Avaliação: Se esses procedimentos aflorarem como um conhecimento construído no sentido de reconhecimento da sinalização, é porque os objetivos foram alcançados. Em caso contrário, deve-se verificar, com os educandos, que medidas devem ser tomadas para que o conhecimento desses procedimentos seja construído. Neste caso, o educador tem um papel primordial de ter em mãos todo o desenvolvimento das etapas do projeto e verificar onde ocorreu a falha, e dela própria partir a reconstrução do conhecimento.  Aconselha-se que, esta ação seja percebida no momento e que não exista uma lacuna de tempo.

Para se avaliar os educandos nessas atividades deve-se utilizar os procedimentos avaliativos apropriados para esse segmento escolar e aqueles que forem os habituais da escola.

Conteúdos: Educação Fundamental, 1º ciclo

Identificação e Significado dos Sinais de Trânsito

Sugestão de Atividades:

  • Trabalho com tira, em quadrinhos, com uma situação-problema que de preferência deve ser elaborada pelo educando. Deverá ser uma situação de desobediência ao trânsito para que os conteúdos possam ser desenvolvidos; deve-se, ainda, utilizar o recurso de deixar incompleto o último quadro ou então acrescentar um outro quadro com a solução do problema, que obviamente será a obediência da sinalização;
  • Jogo dos erros, onde se apresenta uma situação de trânsito com sinalizações incorretas ou pessoas praticando atitudes incorretas no trânsito e o educando deverá descobrir a incorreção e indicar a solução;
  • Jogo da memória com sinais e significados;
  • Jogo de trilha com sinais de trânsito, onde existirão situações de observância dos sinais de trânsito;
  • Jogo que desenvolva os sentidos e a capacidade de receber informações por meio deles (visão à cor e textos/ som à apitos do guarda).

Conteúdos:

Apresentação dos principais sinais de trânsito em forma de cartazes:

  • Sinalização Vertical (ver a descrição e imagens na tela “Conteúdo: Sinalização”);
  • Sinalização Luminosa/Semafórica (ver a descrição e imagens na tela “Conteúdo: Sinalização”);
  • Sinalização Sonora (ver a descrição e imagens na tela “Conteúdo: Sinalização”);
  • Língua Portuguesa — Os textos devem ser produzidos pelos educandos e trabalhados posteriormente por eles próprios. Se houver necessidade, recomendar leitura de textos que envolvam situações de trânsito;
  • Educação Artística — A produção gráfica deve ser elaborada pelos educandos, sendo que as figuras dos jogos podem ser retiradas de jornais ou revistas ou montadas pelos educandos. Reconhecimento de cores. Organização de cartazes para a campanha de conscientização para a sinalização;
  • Informática — As atividades de Informática servirão de suporte para digitação de texto, pesquisa em Internet, produção gráfica etc. Organização de cartazes para a campanha de conscientização para a sinalização;
  • Estudos Sociais (História e Geografia) à Observação do percurso escola–casa, com a exploração da presença ou ausência de sinais de trânsito, identificando pontos de maior necessidade de sinalização. Construção de conceitos relacionados aos elementos do ambiente do percurso escola–casa;
  • Matemática — Explorar as formas geométricas das sinalizações. Exemplos:

Trabalhar com conceitos de dentro, fora, perto e longe em relação à travessia de rua;

- Ciências - Compreensão dos sentidos e a capacidade de receber informações por meio deles: visão, na observação das  cores dos sinais, textos e símbolos inscritos nas placas, gestos do guarda de trânsito; som, atenção aos apitos do guarda, freadas de carros, buzinas, etc.

Conscientização sobre a importância da observação e obediência da sinalização do trânsito no sentido de preservar a integridade física.

Implementação –Educação Fundamental, 2° ciclo (3ª e 4ª séries)

No 2º ciclo (3ª e 4ª séries), o projeto será desenvolvido de forma integrada, ou seja, a partir de um tema as áreas de conhecimento do currículo escolar devem contribuir com seus conteúdos e metodologias no sentido de construir o conhecimento dos educandos em relação à introdução do conhecimento do CTB.

Será realizado um trabalho multidisciplinar, garantindo aos educandos o saber social e o exercício da cidadania. Os conteúdos das áreas de conhecimento devem, portanto, estar em consonância com as questões do cotidiano do educando, como o trânsito e o seu código.

Atividades/ Etapas do projeto
1ª Etapa
(3ª série)
2ª Etapa
(3ª série)
3ª Etapa
(3ª e 4ª séries)
4ª Etapa
(3ª e 4ªséries)
Pesquisa de campo com entrevistas com pessoas da comunidade escolar (familiares, colegas de turma ou de outras turmas, auxiliares, professores etc.) Tratamento dos dados coletados. - Pesquisa de campo em determinados locais que venham a se destacar na apuração de dados;
- Consulta ao CTB (Código de Trânsito Brasileiro).
- Confecção do boletim para ser divulgado;
- Elaboração de um código ilustrado, especificando as necessidades da comunidade escolar.

Para motivar os educandos a desenvolver as etapas do projeto lança-se uma questão, que pode ser um fato acontecido no ambiente próximo da comunidade ou retirado de revista ou jornal recente. Se esse fato for extraído do cotidiano da comunidade, deverá ser narrado por alguém que presenciou ou que tenha participado diretamente e, depois, registrado textualmente pelos educandos. Esta motivação serve para todo o ciclo.

Tendo como base o depoimento ou matérias jornalísticas, os educandos devem organizar, com a orientação da professora de Língua Portuguesa, uma entrevista (perguntas) para ser feita junto à comunidade. Tais perguntas devem ter a tônica em cima de fatos que possam ter ocorrido com essas pessoas em relação ao trânsito.

Efetuadas as entrevistas, os educandos deverão iniciar o tratamento dos dados, onde terão o auxílio do professor de Matemática, que poderá orientá-los na tabulação e interpretação dos dados, que poderão se transformar em gráficos, onde terão apoio da área de Educação Artística.

A interpretação de dados, além de necessitar de um tratamento matemático, poderá ainda contar com auxílio da pesquisa do CTB, no sentido embasar se nos fatos ocorridos houve transgressão às normas de trânsito ou não.

Após essa interpretação, organizar o sugerido Boletim Bi-Bi Fom-Fom, que poderá ser em forma de jornal com as estatísticas e comentários, ou comunicados com cartazes mostrando as estatísticas e comentários, etc. Esta tarefa poderá ser realizada com o suporte do laboratório de Informática para execução da parte textual e gráfica.

Um fato não deve passar despercebido: toda interpretação de dados não deve ficar sem os comentários, que devem ser checados no local. Por exemplo, se for constatado um fato de acidentes frequentes em um determinado local das cercanias da escola, este fato deve ser apurado segundo as condições geográficas e históricas. Essas atividades poderão ser efetuadas com a parceria dos professores de Estudos Sociais/História e Geografia.

Outra opção: caso haja tempo hábil, pode-se simular o julgamento de um dos casos, com o apoio do grupo ou série que ficará responsável pela execução da pesquisa e execução do CTB. Esta opção se faz oportuna, principalmente, se a opção da escola for a de utilizar fatos de jornais e revistas.

1ª Etapa: Neste ciclo deve-se privilegiar o cotidiano da comunidade escolar, procurando identificar suas principais necessidades em relação ao trânsito, daí a elaboração de uma pesquisa de campo (coleta de dados). Essa pesquisa constitui-se em entrevistas em forma de questionários ou conversas com a comunidade escolar apurando ocorrências relativas ao trânsito.

2ª Etapa: Com os dados já apurados, o professor de Matemática deverá orientar os educandos na organização dos dados, tabulação e produção gráfica, onde serão necessários conhecimentos de porcentagem, operações matemáticas e representação e interpretação gráfica dos dados.

3ª Etapa: Após o tratamento dos dados, os educandos devem apurar os resultados registrados em gráficos e tabelas, ou seja, descobrir as causas, que podem até ter sido detectadas na entrevista, ou necessitarão de uma pesquisa no local do fato. Esta apuração contará com os conhecimentos e as metodologias das áreas de conhecimento de Estudos Sociais (História e Geografia) com intuito de verificar: características e localização do local e a evolução da existência de sinalização, levantamento das causas de acidentes etc.

Ainda nesta etapa, já com o conhecimento prévio de alguns problemas que afetam a comunidade (levantados pela pesquisa), um outro grupo deve organizar uma pesquisa no CTB. A pesquisa será direcionada para a elaboração de um código de normas de relacionamento do trânsito, enfocando as principais necessidades da comunidade escolar. É uma atividade que contará com a equipe de Informática e de profissionais da biblioteca da escola.

4ª Etapa: Com a realização das pesquisas e o levantamento das causas dos fatos apurados, elabora-se o material do boletim de ocorrências Bi-Bi Fom–Fom, que será veiculado em murais das salas de aula, pátio, recepção, secretaria etc., ou por meio de uma distribuição impressa para a comunidade. Este material deverá ter o objetivo de informar a toda comunidade a sua relação com o trânsito.

Paralelamente a isso, outro grupo estará organizando um Código ilustrado, visando à conscientização das normas do CTB, interpretado à luz das experiências vivenciadas pelos grupos sociais escola–família. Deverá se contar com os conteúdos e metodologias das áreas de conhecimento de Língua Portuguesa, na leitura e interpretação do Código; do suporte da Informática e Educação Artística na edição e ilustração do código; levantamento histórico do CTB; se houver fatos relativos ao desrespeito ao ambiente, os conteúdos das disciplinas de Ciências e Geografia (Estudos Sociais) devem ser utilizados como sustentação da elaboração das normas para uma melhor qualidade de vida ao cidadão.

Atividade extra: Visita de uma autoridade do trânsito, de preferência um guarda de trânsito que forneça destaque à importância das normas de trânsito para os educandos.

Avaliação: Se esses procedimentos aflorarem como um conhecimento construído no sentido da conscientização de que o espaço das vias públicas deve ser utilizado com respeito mútuo e de que as normas devem ser seguidas, é porque os objetivos foram alcançados. Em caso contrário, deve-se verificar, com os educandos, que medidas devem ser tomadas para que o conhecimento desses procedimentos seja construído. Neste caso, o educador tem um papel primordial de ter em mãos todo o desenvolvimento das etapas do projeto e verificar onde ocorreu a falha, e dela própria partir a reconstrução do conhecimento. Aconselha-se que esta ação seja percebida no momento e que não exista uma lacuna de tempo.

Para se avaliar os educandos nessas atividades deve-se utilizar os procedimentos avaliativos apropriados para esse segmento escolar e aqueles que forem os habituais da escola.

Esquema da relação dos conteúdos e participação das áreas de conhecimento. Este esquema apresenta as conexões entre as áreas de conhecimento, que permitirão a interdisciplinaridade.

Conteúdos: Educação Fundamental, 2º ciclo

Diário Bi-Bi Fom-Fom e Código Ilustrado

Como nesta etapa o processo de desenvolvimento do projeto deve ser totalmente negociado e realizado em parceria educandos-educadores, todo material deverá ser construído pelos educandos sob a orientação dos educadores. Portanto, o material será construído a partir do trabalho realizado em sala de aula, onde cada educador saberá selecionar as melhores opções de conteúdos. Alguns já foram indicados no projeto.

Deve-se levar em conta que o projeto tem o compromisso de ser dinâmico, cujas decisões podem ser revistas.

Um conteúdo que não pode faltar seria a pesquisa no Código de Trânsito Brasileiro (CTB). Sobre este documento deve-se priorizar apenas aqueles assuntos que foram destaque nas pesquisas e entrevistas dos educandos, senão a atividade se tornaria maçante e poderia ocorrer o desinteresse do educando.

Alguns conteúdos seriam imprescindíveis no desenvolvimento dessa etapa do projeto, como a porcentagem, a construção e análise de dados referentes à área de Matemática, que se encarregará de dar suporte ao tratamento de dados.

s conteúdos a serem priorizados dependerão dos resultados da pesquisa e entrevistas, por isso não se cogita sugerir conteúdos nem atividades.

Dinâmica das atividades pedagógicas do projeto

Para determinar a dinâmica do projeto aconselha-se dividir as turmas em grupos ou duplas na execução das tarefas, pois os grupos ou duplas obterão maior rendimento num processo de construção de conhecimento em cooperação.

Deve-se lembrar, ainda, que o projeto demanda muitas atividades e se estas forem compartilhadas o resultado será mais eficaz e de melhor qualidade.

Produtos do Projeto

  1. 1Exposição da produção gráfica, contemplando o ambiente da rua, a figura do homem dentro desse contexto e a identificação dos sinais de travessia. A exposição das representações gráficas deve ser observada como expressão de linguagem, interpretação e comunicação da Educação Infantil.
  2. 2Campanha de reconhecimento e conscientização da sinalização de trânsito englobando as tiras produzidas, retratando cenas do cotidiano do trânsito e cartazes de advertência para a sinalização.
  3. 3Elaboração do boletim de ocorrências de fatos vivenciados pela comunidade escolar.
  4. 4Criação de um Código ilustrado, destacando as principais normas do CTB para a comunidade.

Planejamento

O planejamento do projeto deverá ser alvo de decisão da escola, porque a disponibilidade de tempo deve ser levada em conta, como também as opções pedagógicas da escola. No entanto, um fator é determinante: que as atividades cruciais do projeto possam ser contempladas na Semana Nacional do Trânsito.

Conteúdo: Sinalização

1 - Sinalização Vertical

Tipos de placas: regulamentação, advertência e indicação.

O que o educando deve saber sobre essas placas:

  • Placas encontradas ao lado ou suspensas sobre a pista;
  • Mensagens representadas por símbolos legalmente instituídos;
  • Finalidade: manter o fluxo de trânsito em ordem e segurança, assegurando a conduta do motorista.

1.1. Placas de Regulamentação

Características

  • São placas circulares, com exceção das placas: Parada Obrigatória e Dê Preferência;
  • Possuem o fundo branco com ou sem tarja e borda vermelha;
  • A cor vermelha indica obrigação de parada, proibição e regulamentação em geral e a branca, regulamentação e informação;
  • Os símbolos são inscritos em preto.

Atenção:


Esta placa indica Obrigação

Esta placa indica Proibição

Placas importantes

Proibido Trânsito de Pedestres
Proibido Trânsito de Bicicletas
Pedestre Ande pela Direita
Pedestre Ande pela Esquerda
Circulação Exclusiva de Bicicletas

1.2. Placas de Advertência

Essas placas recomendam a redução de velocidade no trânsito das vias urbanas e rodovias, chamando a atenção do motorista para a existência de perigos nessas vias e proximidades.

Características

  • São placas quadradas, com fundo amarelo e borda preta, cuja colocação é de tal forma que as suas diagonais ficam em posições vertical e horizontal;
  • A cor amarela indica atenção generalizada e a preta destaca a regulamentação e a informação;
  • Os símbolos são inscritos em preto.

Placas importantes

Área Escolar
Passagem de Pedestres
Passagem Sinalizada de Escolares

1.3. Placas de Indicação

Essas placas indicam direções, ruas, sentidos, distâncias, pré-sinalização, localidades e pontos de interesse.

Características

São placas retangulares que podem ser verdes, azuis ou brancas; geralmente suas inscrições são na cor branca ou preta.

Exemplos de placas de Indicação

Áreas de Indicação
Orientação de Destino
Posto de Gasolina à Frente

2 - Sinalização Luminosa /Semafórica

Características

  • Constitui-se de uma sinalização de dispositivos eletrônicos, conhecida por diferentes nomes pelo território brasileiro;
  • Compõe-se de luzes nas cores verde, amarela e vermelha agrupadas em sinais de trânsito (também chamados de farol, sinaleiro, semáforo, dependendo da região do país);
  • Sinalização disposta ao longo das vias e cruzamentos de forma vertical ou suspensa;
  • Significado das cores:
    • Verde → SIGA
    • Amarela  → ATENÇÃO
    • Vermelha → PARE
  • Finalidade: Controlar o trânsito em qualquer via ou cruzamento, alternando o fluxo de veículos e pedestres;
  • Existem duas modalidades de sinalização semafórica:
    • sinalização semafórica de regulamentação - pedestres e veículos;
    • sinalização semafórica de advertência.

Para Pedestres

Vermelho Intermitente:
  • Indica que o período de passagem de pedestres está para terminar;
  • É aconselhável que os pedestres não cruzem a pista. Aqueles que já tenham iniciado a travessia, que se apressem.

Vermelho:
  • Indica que os pedestres não podem atravessar.

Verde:
  • Indica que a passagem de pedestres está liberada.

Para os carros

  • Obrigatoriedade de parar.
  • Atenção. O condutor deve parar o veículo, exceto em situação de perigo
  • Indica que o veículo pode prosseguir o caminho.

Neste caso o comando do Amarelo (que indica Atenção) é substituído pelas duas luzes acesas ao mesmo tempo.
Adverte a existência de obstáculo ou situação perigosa. O motorista deve reduzir a velocidade.

3 - Sinalização Sonora

Características

  • Executada pelo agente de trânsito e pelo condutor de veículo, utilizando instrumentos sonoros tais como apitos, buzina e sirenes;
  • Quando o condutor quer advertir alguém, utiliza a buzina, restringindo-se a um toque breve;
  • Veículos com prioridade de trânsito (ambulâncias, carro de bombeiros e policiais), além do dispositivo de luz intermitente possuem sirenes, que só devem ser acionadas quando em serviço de urgência.

Sinais sonoros executados pelo agente de trânsito:

Sinais de Apito Significado Emprego
Um silvo breve Atenção Siga No ato do guarda sinaleiro mudar a direção do trânsito.
Dois silvos breves Pare! Fiscalização de documentos ou outro fim.
Três silvos breves Acenda a lanterna Sinal de advertência. O condutor deve obedecer à intimação.
Um silvo longo Diminua a marcha Diminuir a marcha do veículo.
Um silvo longo
e um breve
Trânsito impedido em todas direções À aproximação do Corpo de Bombeiros, ambulâncias, veículos de Polícia ou de Tropa, ou de Representante Oficial.
Três silvos longos Motoristas a postos Nos estacionamentos à porta de teatros, campos desportivos etc.